“Não vos priveis um ao outro (…)” I Co 7:5

Pés-de-um-casal-na-cama-Gettyl

Fico cada dia mais surpresa e maravilhada com a atualidade da Palavra de Deus! Parece até que Paulo conhecia as nossas rotinas cheias, nossas agendas lotadas, nosso modo estressante de viver a pós-modernidade; ou que ele já fazia ideia de que a vida diária não é um conto de fadas e nem sempre sobra disposição para nos dedicarmos ao nosso cônjuge no fim do dia.

Mas Paulo vivendo ou não o século XXI, totalmente inspirado por Deus, escreveu aquilo que valeria em qualquer século, uma vez que “palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” Hebreus 4:12

Deus já sabia que muita gente tem em sua casa um banquete, mas passa fome! Como diria Hernandes Dias Lopes em “Casados e Felizes”. “Infelizmente, mesmo no casamento, o sexo tem se tornado fonte de tensão, e não de prazer.” E então ele mostra 3 aspectos que podem ser os responsáveis por essa tensão: a impureza do sexo, a frequência do sexo e a chantagem do sexo. O foco do texto é a frequência e a chantagem, mas dedico agora 1 parágrafo para esclarecer sobre a impureza.

“Enganam-se aqueles que pensam que entre marido e mulher, fechada a porta do quarto, vale tudo. Há práticas que são degradantes e ilícitas mesmo entre marido e mulher. (…) Muitos casais são influenciados pela indústria da pornografia e não conseguem manter relação sexual senão diante de um vídeo pornô.” (Hernandes Dias Lopes, Casados e Felizes) Isso é impureza. Claro, não somente, mas por impureza entende-se: pornografia, relação sexual com alguém além do seu cônjuge (seja em pensamento, na TV ou pessoalmente).

E então passamos aos outros dois pontos que causam tensão ao invés de prazer. Em primeiro lugar, a frequência do sexo. Eu não sei vocês, mas já no meu Curso de Noivos, fui questionada sobre o assunto. Eu e meu noivo lemos juntos o livro “Antes de Dizer Sim” do Jaime Kemp. Antes mesmo de dizermos sim e embarcarmos para a lua de mel, já tínhamos conversado sobre o assunto, esclarecido as nossas expectativas e recebido aconselhamento. Isso nos ajuda até hoje. Quando estamos insatisfeitos com a frequência voltamos a nos questionar sobre nossas expectativas e desejos. Já sabemos conversar sobre isso. O que é uma grande coisa! Eu sei que infelizmente nem todos os casais tiveram a mesma oportunidade que nós, mas nunca é tarde demais para recomeçar e como diz uma amiga querida: “para alguém temente a Deus, sempre existe espaço para mudança.”

“Cada pessoa tem um ritmo e uma frequência sexual. Há pessoas que são super ativas sexualmente. Não há nenhuma mal nisso. Mas quando um homem sexualmente energético se casa com uma mulher que não tem o sexo como sua prioridade e esse casal não conversa de forma franca sobre o assunto isso produz grandes tensões no relacionamento. O contrário também é verdade. Às vezes, é a mulher que é mais ativa sexualmente.” (Hernandes Dias Lopes, Casados e Felizes) O aconselhamento, segundo Hernandes, seria fazer uma média entre o desejo dos dois e entrar num consenso, uma vez que o amor “não busca seus próprios interesses” (I Co 13:4).

Segundo Dave Harvey, em “Quando Pecadores Dizem Sim”, o sexo é uma aventura de devoção. Primeiro uma devoção à proteção mútua: “mas, por causa da imoralidade, cada um deve ter sua esposa, e cada mulher o seu próprio marido.” 1 Coríntios 7:2 Por causa disso, o sexo no casamento protege, é uma defesa estabelecida por Deus contra a tentação. O nosso mundo não é tão diferente (moralmente falando) de Corinto, ainda continuam apregoando o sexo fora do casamento, como se o sexo oferecesse nada mais do que prazer e aventura ilícitos. Como nós cristãos casados podemos nos proteger desses ataques? Por meio da fiel provisão de Deus no casamento: a pessoa especial que dorme ao seu lado todas as noites! “Nosso cônjuge é a primeira linha de defesa contra os convites de Corinto.”

E aqui faço um parêntese (mulheres, não pensem que se não se renderam à pornografia estão livres dos ataques! As novelas e livros do Nicholas Sparks e cia, juntamente com as comédias românticas estão repletos de modelos masculinos que além de, muitas vezes, serem anti-bíblicos, são modelos inalcansáveis para os nossos maridos. Os homens perfeitos dos romances e novelas poderiam ser igualmente tentadores como as mulheres lindas e nuas das capas de revista masculina. Fiquem atentas!)

Além disso, o casamento prevê direitos mútuos, seja na lei de Deus, seja na lei dos homens. “O marido deve cumprir os seus deveres conjugais para com a sua mulher, e da mesma forma a mulher para com o seu marido. A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido. Da mesma forma, o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher.” 1 Coríntios 7:3-4 Ou seja, quando nos casamos não somos donos de nós mesmos, mas pertencemos um ao outro e temos um dever um com o outro. “O casamento significa que nosso corpo é reivindicado por Deus para agradar e servir a outra pessoa. Nossa ligação é tão abrangente que Deus dá ao nosso cônjuge direito sobre o nosso corpo.”

E por último, a chantagem do sexo é uma arma poderosa, e por isso muito perigosa. Acabamos de ver que a Bíblia ensina que sexo é um direito conjugal, logo não pode ser negociado de forma egoísta. Hernandes Dias Lopes afirma: “Qual é o direito da mulher na relação sexual? O orgasmo! Deus criou a mulher com a capacidade de sentir prazer. O prazer não é pecaminoso, mas santo e bom. (…) Paulo no século I afirma que a mulher tem o mesmo direito sexual que o homem.” Nesse ponto o autor comenta o fato de que ainda hoje, muitos homens desconhecem ou são insensíveis às necessidades sexuais de sua esposa, não compreendendo que para a mulher o sexo começa no café da manhã e o ato sexual envolve romantismo, carinho e afeto. Do mesmo modo, existem muitas mulheres que não compreendem a importância do sexo para o seu marido e para o seu próprio casamento, são insensíveis ao seu desejo e não valorizam, como a Bíblia valoriza, a relação sexual. Algumas mulheres podem usar o sexo para manipular as decisões do marido e isso é pecado, seria como cobrar por um direito que já existe.

Por tudo isso, estejamos muito atentos a essa área do nosso casamento. A abstinência sexual no casamento pode ser uma armadilha, um grave perigo. Precisamos nos esforçar: “A mulher sábia edifica a sua casa, mas a insensata a derruba com as suas mãos.” Provérbios 14:1 Sejamos sábias, honestas conosco mesmas e avaliemos. Se dissemos que somos cristãs então devemos estar atentas ao que o Senhor nos ensinou. E depois, cá entre nós, fazer sexo com quem a gente ama e escolheu para passar o resto da vida junto não pode ser uma coisa tão ruim!

Com amor,

Bruna

Anúncios

Um pensamento sobre ““Não vos priveis um ao outro (…)” I Co 7:5

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s