Primeiras Impressões de uma Mãe de Primeira Viagem

Olho pra ela dormindo ao meu lado e penso: com quem será que ela é parecida? Me perco por alguns minutos, totalmente absorvida por esse momento, contemplando o seu rostinho tranquilo enquanto dorme depois de uma longa mamada. Por um momento eu me esqueço de que estou há mais de 2 horas escrevendo e apagando esse post. Afinal, quais são as primeiras impressões de uma mãe de primeira viagem? Essa manhã ouvindo música elas pareciam tão evidentes…

10672211_711516255582391_2064244849252090751_n (1)

Acho que isso resume bem o primeiro mês de maternidade: dúvida. Durante a gestação eu li muitos livros, vi muitos vídeos, fiz um curso. Assim que a Luísa nasceu parece que tudo o que eu li sumiu da minha mente instantaneamente. Parece que me deu um mega branco. E o branco já começou no momento exato do seu nascimento, quando eu não sabia o que pensar, nem o que sentir. Eu só sentia alívio. Alívio da dor, que aos poucos ia passando, alívio de ela ter finalmente saído de dentro de mim, e saído bem!

A primeira impressão na verdade são duas. Tem a primeira impressão do momento e tem a primeira impressão de agora, a impressão que está um pouco mais afastada do calor do momento, mas que não está assim longe com a memória já alterada. Sobre o parto e o trabalho de parto a primeira impressão do momento foi de desespero. Desculpa gente, acho que devo estar quebrando algum pacto das mães de não falar sobre a dura realidade do parto mas aí vai: ter um bebê naturalmente dói! No meu caso foram quase 30 horas de dor, contrações e toda a sorte de desconfortos. Naquelas horas eu queria sumir, queria morrer, queria que alguém viesse e tirasse de uma vez a Lulu de dentro de mim! No segundo após a Luísa nascer o meu pensamento foi: “Onde eu estava com a cabeça quando quis ter um filho?” Eu sei. É duro ler a verdade assim tão crua sem a música da Maria Bethânia de fundo, mas é a realidade. Eu me iludi. Eu romantizei o parto, me perdi com os vídeos emocionantes na internet e as fotos lindas de recém-nascidos que rolam por aí. Acabei sendo surpreendida pela dor absurda do parto natural. Nos dias que sucederam o parto eu só pensava em: ou não ter mais filhos, afinal quem disse que 1 é pouco? ou apelar para a cesariana e pedir penico! Esse era o nível.

Já a primeira impressão de agora, é recheada de romantismo e com a música da Maria Bethânia no fundo! Claro, a dor está presente, mas a lembrança da Luísa vindo pro meu colo logo após nascer, mamando já nos primeiros minutos supera as outras coisas. Ela era linda, cabeluda como eu sempre quis e perfeita! Agora eu só lembro do seu corpinho pequeno e dos seus olhos nos meus… Sim, tinha gente me costurando enquanto eu olhava pra ela totalmente descrente de ter parido, de ter trocado a dor por aquele momento mágico em que eu e o Pedro nos olhávamos e olhávamos pra ela sem acreditar que aquele momento tinha chegado finalmente. A primeira impressão de agora? 1 é pouquíssimo! Quero mais desses seres pequeninos e lindos e pela recuperação que eu tive, que sejam de parto normal!

Depois de chegar em casa as coisas mudam pra melhor! Parece que realmente ter um filho não é só um sonho. Quando a gente traz o bebê pra casa é como se a gente o trouxesse pra realidade, pra nossa realidade. Agora ele não é mais imaginário e não fica só no tempo futuro, agora ele faz parte da nossa casa, do nosso dia a dia, da nossa vida. Então tudo passa a ter sentido, os móveis, o berço, as roupinhas, as fraldas. Tudo não está em um momento distante, mas está aqui e agora fazendo parte da nossa vida.

E aí pouco a pouco a gente vai voltando a ser quem a gente era, mas não do mesmo jeito. Um dia a gente consegue lavar uma louça aqui, fazer uma comidinha ali, outro dia a gente consegue ler umas páginas de um livro, comentar uma coisa no Facebook. Até que finalmente, chega o dia em que você é capaz de assistir 1 episódio inteiro do seu seriado favorito! Isso sem contar com o retorno emocional: um dia você consegue parar de ficar triste sem motivo, no outro parar de achar que ninguém te ama, no outro parar de achar que não vai dar conta. Até que finalmente você já está se reconhecendo outra vez!

Graças a Deus a Luísa é muito tranquila, dorme bem, mama bem, ama tomar banho, e aí todo o terrorismo que eu sofri ouvindo outras pessoas dizerem que ter filho não é fácil, que bebê incomoda, que o casamento complica etc, etc, etc, caem por terra. Finalmente eu posso sorrir e dizer que ser mãe é uma bênção. E uma bênção das grandes! Sem dúvidas que ter filho não é a coisa mais fácil que tem, ou que vão ter momentos em que o bebê vai dar trabalho e que o casal vai precisar se dedicar ao filho em vez de ir ao cinema, mas a minha primeira impressão é de que a vida é muito melhor agora! A minha primeira impressão é de que ser mãe é um privilégio e não é tão horrível como muitas pessoas falam por aí.

Sobre rotina, sono, amamentação e disciplina, no meu caso fica meio difícil dizer como as coisas devem ser. O fato é que eu ainda estou tentando encontrar os meus pensamentos e argumentos, minhas linhas de raciocínio e minhas teorias. Tudo o que eu formulei está um pouco perdido por esses dias. A minha primeira impressão é que curtir esse momento único é a coisa mais certa a se fazer. Estou me deixando levar nessa novíssima aventura de ser mãe. Algumas coisas eu estipulei e fixei, algumas regras em relação ao sono dela, por exemplo. Mas considero que foram coisas pequenas se comparadas a rotinas como EASY e Nana, Nenê. Nesse ponto eu não discutiria o que é o certo e o errado, como antes estava disposta a discutir. Apenas, vivo com a Luísa da maneira que considero mais confortável e agradável para nós (incluindo aqui o Pedro também). Meu primeiro impulso foi querer decidir e resolver (como se fosse um cálculo matemático) como tudo deveria funcionar. Depois larguei! Parei de procurar os meus pensamentos e teorias e decidi viver a Luísa por um tempo. Decidi viver a beleza dos seus primeiros dias em paz, fazendo aquilo que eu achava que deveria fazer e pronto!

Por fim, a minha primeira impressão como mãe de primeira viagem é a de que Deus nos deu um privilégio tremendo quando decidiu que nós poderíamos ter filhos, e digo nós como humanidade e não apenas como família (eu e o Pedro). O Senhor foi extremamente bondoso nos permitindo passar por toda a gestação e sonhar por 9 meses com nossos filhos, culminando esse tempo no momento belíssimo do nascimento (que, infelizmente, manchado pelo pecado, é sobrecarregado por dor [Gênesis 3:16]). Ter a Luísa em casa, vivendo dia a dia com a gente, me faz sentir a mulher mais realizada do mundo! Agora, mais do que nunca, não posso sequer imaginar como alguém poderia argumentar dizendo que ser mãe e dona de casa é algo monótono e inferior. Cuidar dela e do meu marido é a coisa mais prazerosa e gratificante que tem e eu estou muito feliz por poder fazer isso!

Anúncios

3 pensamentos sobre “Primeiras Impressões de uma Mãe de Primeira Viagem

  1. Nossa Bruna muito lindo o que você escreveu, e concordo com tudo ser mãe é uma grande benção de Deus, e não é fácil mais é muito prazeroso, o sorriso deles faz o nosso dia cansaço ir embora e aquilo basta! ser mãe é maravilhoso, parabéns pela tua princesinha! Que Deus nos ensine a ser uma mãe sabia e segundo o seu coração.

  2. Meninas adoro o Blog de vocês estava sentindo falta … Que Deus abençoe grandemente a todas vocês …. Sou Fã (Ré confessa do Blog.). Parabéns a todas as mamães pelos Bebês que Deus abençoe e ilumine sempre o caminho desses anjinhos… Bjo Grande

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s