Sobre a Carta para as “Mães em Tempo Integral”

“As mulheres modernas defendem seus escritórios com toda a fúria da domesticidade. Elas lutam pela escrivaninha e pela máquina de escrever como se pela pela lareira e pelo lar, e desenvolvem um espécie de feroz postura de esposa no interesse do chefe invisível da empresa. É por isso que fazem tão bem o trabalho do escritório; e é por isso que não devem fazê-lo.”

                                                                                                                                                    G.K. Chesterton

O que me trouxe a esse post, foi um artigo que li num blog que gosto muito. Um artigo sobre acabar com a “luta” entre mães que ficam em casa e mães que trabalham fora. Quando fui ler o artigo, me entristeci ainda mais com a descrição da mãe que fica em casa em tempo integral, aqui estão algumas das frases destinadas às mães que não trabalham fora: “Eu sei que você raramente tem tempo para uma xícara de chá ou de café.”; “Eu sei que você, provavelmente, não tem tempo de descansar, mesmo estando em casa[…]”; “Eu sei como o trabalho parece incessante, como um ciclo sem fim: você compra alimentos, prepara-os, cozinha-os, tenta alimentar seus filhos, limpa o chão, lava os pratos e repete isso de três em três horas.”; “sente inveja das suas amigas que tem pausas para um café no meio do expediente.”; “Admiro sua maneira de trabalhar sem esperar qualquer recompensa – sem promoções, sem fama, sem salário.”

Nesse post, pretendo me concentrar apenas nessas partes da carta, questionando e refutando essas frases absurdas e muitas vezes maldosas que deveriam servir para consolar a pobre e oprimida dona de casa que só o que faz é limpar a casa e nariz de criança pequena.

“Eu sei que você raramente tem tempo para uma xícara de chá ou de café.”

O tempo é igual para todas as pessoas da Terra. Nem entrarei no mérito de: se uma mãe que fica em casa não tempo para um café, imagine então uma mãe com jornada dupla! (??) Não consigo entender como uma mãe que fica em casa teria o tempo mais prejudicado do que outra, se ela pode muito bem planejá-lo e organizá-lo e desse modo tomar sua xícara de chá. A mulher virtuosa descrita em Provérbios 31, levantava-se ainda de madrugada para dar conta de todos os seus afazeres (Pv31:15). Não posso imaginá-la esbaforida, descabelada ou sem tempo para 1 mera xícara de chá. Até porque as crianças que estão em casa também precisam se alimentar, e quem disse que uma mãe não pode ter prazer em tomar chá com seus filhos às 17h?

“Eu sei que você, provavelmente, não tem tempo de descansar, mesmo estando em casa[…]”

Por que essa fixação com o descanso? Fico pensando se na verdade o problema não estaria em as pessoas associarem casa a descanso e por isso, uma mulher em casa seria o mesmo que uma mulher descansando. Sendo assim, se ela não descansa então algo está errado. Gente, eu conheço muitas mães (eu sou uma delas) que dormem até 8 horas por dia (contando com a noite, muitas vezes interrompida, e as sonecas que se pode tirar com o bebê durante o dia . Claro, muito disso é fruto de organização e disciplina. Isso porque eu valorizo dormir, mas tenho certeza que tem muitas mulheres que se satisfazem com suas 6 horas de sono diárias e isso, sendo mãe em casa, ou trabalhando fora não faz a menor diferença. Por que então a mãe que fica em casa descansaria menos (ou mais)? Acho isso, no mínimo, sem sentido algum.

“Eu sei como o trabalho parece incessante, como um ciclo sem fim: você compra alimentos, prepara-os, cozinha-os, tenta alimentar seus filhos, limpa o chão, lava os pratos e repete isso de três em três horas.”

Ah sim! Com certeza! Uma mulher em casa só o que faz da vida é lavar, cozinhar e fazer tudo de novo! Seria cômico, se não fosse trágico. Como eu já falei acima, organização é preciso e não é porque uma mulher fica em casa que ela perdeu seu cérebro. Por acaso ela pode usá-lo para programar seus dias, suas semanas, para organizar suas tarefas (que não são apenas lavar, cozinhar, alimentar crianças e começar de novo). Claro, o trabalho doméstico é bastante cíclico e em uma casa em uso, naturalmente surgirão tarefas. Ser dona de casa não é ser empregada doméstica (mas isso conversa pra outro post). Mas daí a dizer que uma mãe que fica em casa só viva pra fazer isso… é o cúmulo da humilhação.

“sente inveja das suas amigas que tem pausas para um café no meio do expediente.”

Não, desculpem, aqui é o cúmulo da humilhação. É triste ver que em nome de “acabar com o preconceito e luta entre mães” surja algo do gênero. Não, gente, uma mãe que compreendeu seu chamado e que o exerce com alegria e amor ao Senhor, sabendo que para isso Ele a criou e a capacita, não sente inveja de suas amigas que tem pausa para o café, porque uma mãe em casa pode tomar café com os filhos, o que é ainda mais prazeroso do que ter uma pausa para o café falando sobre o tempo com seus colegas de trabalho.

“Admiro sua maneira de trabalhar sem esperar qualquer recompensa – sem promoções, sem fama, sem salário.”

Ao contrário. Uma mãe que fica em casa porque entende que é para fazer isso de forma excelente que Deus a chamou, faz isso esperando muitas coisas. A primeira delas é esperando agradar a Deus e glorificá-Lo e receber Dele a recompensa por esse trabalho. A segunda coisa que uma mãe que realmente se dedica aos filhos (não aquela que apenas fica de corpo presente em casa, mas que está com o coração longe dali) espera é que os seus filhos possam ser ricamente abençoados através da sua presença diária e dos seus ensinamentos nos momentos mais triviais do dia. Ela espera que por estar ali e acompanhá-lo assim de perto, a confiança e intimidade com o seu filho cresça. Ela espera que seu trabalho que tem implicações eternas sobre as almas dos seus filhos dê bons frutos e engrandeça a Deus. E isso não tem nem comparação com os tesouros desse mundo (promoções, fama, salário).

Com isso concluo que, mais uma vez a “boa intenção” de acabar com preconceito entre mães foi fracassado. Na verdade o que eu acho que se busca com esse tipo de artigo é justificar a escolha erradamente feminista que fazem.

Com amor,

Bruna

Texto: http://www.macetesdemae.com/2014/04/carta-de-uma-mae-que-trabalha-fora-para-uma-mae-em-tempo-integral-e-vice-versa.html

Texto original: http://carolynee.net/a-letter-from-a-working-mother-to-a-stay-at-home-mother-and-vice-versa/

 

 

Anúncios

Um pensamento sobre “Sobre a Carta para as “Mães em Tempo Integral”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s